Vô Nicolau

Ainda morando em Birigui, entre vários momentos em que ficava conversando com meu avô, fiz este seu desenho. E foi o único retrato que fiz dele. Mas pra quem o conhece, com certeza vai olhar e dizer, este é mesmo o seu Nicolau. Num momento pós refeicão, depois de orquestrar seus movimentos corporais sobre uma mexerica ou outra fruta qualquer, ele fechava os olhos e, acredito que meditava, mas claro, sem deixar de ouvir a conversa ao seu redor e muitas vezes interferir com seus conhecimentos e experiências. E foi com ele que aprendi o por quê do feriado do dia do trabalho. Um homem bravo e corajoso que não tinha medo nem do rapafolecas!Vô Nicolau - início dos anos 90

vou deixar abaixo trechos do texto Zeppelin, que meu tio Aires, o filho caçula entre os homens, escreveu em homenagem ao me avô, em um jornal do interior. Sempre que leio este texto fico muito emocionado.

 

Corria o conturbado ano de 1930 na Espanha.  Dentre os membros desta família estava um menino muito sagaz e determinado, com quase 13 anos de idade, de nome Nicolás.  … ao desembarcar do navio, recebeu um pedaço de fruta já descascada que o deixou fascinado. Um sabor até então desconhecido. Um tanto azedo e doce ao mesmo tempo.  … Somente depois de alguns anos é que pode voltar a sentir o delicioso sabor do abacaxi. …  ! E Nicolás presenciou um fato histórico: a chegada do dirigível Graf Zeppelin em sua primeira viagem transatlântica entre a Alemanha e a América do Sul. Ambos, Graf Zeppelin e Nicolás, estavam debutando no país! … – O menino Nicolás passou a ser chamado de Nicolau. Foram encaminhados à capital paulista, de onde rumaram para Birigüi… – Aqui fincou raízes profundas. Trabalhou. Lutou. Construiu. Casou. Constituiu família. Teve 14 filhos. Exatos 50 anos depois, voltou à sua terra natal. Ficou por lá apenas alguns dias, onde pode ter a certeza de que a sua verdadeira nacionalidade era a brasileira. Coisa que ele nunca teve dúvida!

Rapafolecas – nome de uma criatura, que para mim parecia sombria e ao mesmo tempo soava de maneira engraçada,  que meu avô usava para nos amedrontar quando fazíamos alguma coisa que ele achava errado. Como chutar bola no portão, andar de bicicleta dentro da casa, deixar uma torneira aberta, assistir televisão após o jornal Nacional, tomar banho demorado e entre outras coisas, não comer o miolo do pão.

Anúncios

6 Comentários

Arquivado em Uncategorized

6 Respostas para “Vô Nicolau

  1. marcia

    Inesquecível….assim defino meu pai.

  2. milton

    É parece que foi ontem isso! saudades!

    • MARTA

      mas faltou vc falar da emenda da tv que guardava debaixo do travesseiro,vc narrou tudo certinho, nao se esqueceu da rapafolecas e tb da polaina ,como disse o milton parece que foi ontem saudadesssssssss

  3. Lívia

    VÔ será para sempre inesqueçível , um grande homem , um ótimo avô . São muitas lembranças , mas a melhor dr todas quando faziamos artes e ele saía correndo atrás da molecada com a cinta ahaha , nunca alcançava . TE AMO VÔ. Beijo Bru . 🙂

  4. rute

    TODOS SE ESQUECERAM TBM Q A VARINHA Q ELE PEGAVA PRA BATER NA MOLECADA ERA DO PÉ DE PERA Q PARECE CENTENÁRIA,E DOIA TANTO QDO ELE CONSEGUIA NOS PEGAR…HAHAHAHA…ELE ERA TUDO DE BOM PRA NOS…SAUDADES PAI,TE AMO…PARABÉNS BRU.

  5. que lindo seu blog!

    tava procurando umas imagens no google e sem querer cai aqui.

    gostei!

    parabéns, pelo desenho e pelo bom gosto

    beijos

    MM.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s